sempresaude_materias_07082015_143835

Imagem retirada de http://rsaude.com.br

 

Olá! Tudo tranquilo?

Hoje trago para você, especialmente se você for profissional da saúde, outro tema bastante interessante…É sobre como diagnosticar uma hérnia discal.

Como estou ligado à Osteopatia (terminei o 1º ano de Licenciatura), este artigo resultou de um trabalho que fiz junto com a Filipa Peres (FilipaPeresOfficial – Tetra Campeã Nacional de DownHill).

Então vamos lá…Boa leitura!

Muitos profissionais de saúde ao longo do tempo têm utilizado Straight Leg Raise (SLR) (Teste de Levantar a perna estendida) para aferir a possibilidade de existência de uma hérnia discal lombar (HDL).

Mas o que nos diz a literatura sobre este teste?

Antes de respondermos a esta questão, vamos perceber melhor o que é uma HDL. Trata-se na realidade de um processo em que ocorre a rutura do anel fibroso, com subsequente deslocamento da massa central do disco para os espaços intervertebrais, ou seja, ocorre uma migração do núcleo pulposo com fragmento do anel fibroso para fora de seus limites funcionais, podendo ser protrusa, extrusa ou sequestrada, conforme na figura 1.

hernia

Figura 1 Processo de herniação do disco intervertebral

Para determinar se o paciente possui uma HDL, existem alguns testes na literatura científica que são utilizados para este fim. Um deles é o SLR que é amplamente utilizado por muitos profissionais de saúde.

Historicamente, como refere Drača S., o teste SLR foi descrito detalhadamente por Lazar Lazarević em 1881.

De acordo com Rabin A. et al, o SLR é um teste neuro dinâmico. Os testes neuro dinâmicos verificam o mecanismo de movimento dos tecidos neurológicos, a sua sensibilidade ao stress mecânico ou à compressão existente. Estes testes, juntamente com o histórico relevante e uma diminuição da amplitude de movimento, são considerados como os sinais físicos mais importantes para diagnosticar HDL, independentemente do grau de lesão do disco. O SLR é um teste que pode ser utilizado para determinar o estado do próprio tecido como resultado de um espaço ocupado pela lesão, por norma, uma HDL.

Segundo os mesmos autores, o SLR pode ser realizado em duas posições: decúbito dorsal e sentado. O teste com mais sensibilidade à dor no diagnóstico de compressão nervosa é em decúbito dorsal sendo por isso o método mais utilizado. O examinador faz uma flexão da anca do paciente enquanto mantém o joelho em extensão (Consulte este vídeo para ter acesso à demonstração da técnica). Este movimento causa um deslizamento das raízes nervosas lombares. Quando uma anormalidade estrutural, como uma HDL, comprime a raiz do nervo proximal ou no forâmen neural, a dor pode ocorrer quando essas raízes são puxadas contra a HDL e o deslize é limitado. Esta ação pode provocar dor irradiada pelo membro inferior no nervo referente à distribuição da raiz nervosa (normalmente L4, L5 ou S1).

A efetividade do SLR é reforçado por Omar et al (2016) que num estudo com 225 pacientes, recorrendo a Ressonância Nuclear Magnética (RMN), concluíram que o teste é preciso o suficiente para diagnosticar HDL com recurso à RNM. Desta forma, os autores aconselham até a utilizar o teste SLR para diagnosticar HDL quando a RNM não está disponível ou é inacessível para os pacientes.

Mas será que o resultado positivo do SLR significa obrigatoriamente uma hérnia discal?

Segundo Pravato E., a Síndrome do Piriforme (SP) pode induzir o teste SLR em erro obtendo um sinal positivo, mas revelando apenas SP e não uma HDL. Estudos demonstram que o SP está relacionado como uma das principais causas das dores lombares e ciáticas, sendo esta uma patologia que apresenta uma etiologia mecânica, provocada por uma compressão do nervo ciático pelo músculo piriforme quando este passa pelo nervo na região glútea. Esta síndrome tem uma sintomatologia idêntica à HDL.

Para os profissionais de saúde não serem induzidos em erro e conseguirem eliminar outras patologias associadas a esta sintomatologia, existe um teste específico para diagnosticar o SP.

 

Em conclusão:

O SLR em decúbito dorsal é o teste com mais sensibilidade para diagnosticar a presença de HDL. No entanto, este teste poderá dar falsos positivos, como por exemplo quando existe o SP porque a sintomatologia desta patologia é idêntica à dor referente da HDL. Para eliminar esta dúvida provocada por esta semelhança, deve ser utilizado o teste clínico específico para detectar o SP.